domingo, 26 de setembro de 2010

Reavaliando os dados estatísticos

Para questionar mitos, é bom atentar para não criar novos. Continuo a ler a mesma velha revista Veja de 7 de março de 2007 (pretendo ler e comentar revistas mais atuais em breve), acabando por ficar intrigado com o artigo referente aos problemas na área da educação.
Gustavo Ioschipe elenca na matéria 4 problemas sobre educação que para ele não condizem com os fatos, por isso ele os classifica como mitos. Este artigo distorce os fatos ao não explorar o tema com mais parâmetros. Esse equívoco aparentemente intencional leva o texto a ir de contra a sua idéia original de derrubar mitos, pois pela displicência acaba gerando outros ainda mais promissores a elite. Os mitos serão expostos com a opinião do autor, mas agora com argumentos confrontados.
1o Mito: O professor brasileiro é mal remunerado
Neste tópico Ioschipe diz que é um erro tachar o professor brasileiro como mal remunerado tomando base outros países. Ao comparar um país dez vezes mais rico é óbvio que o professor ganha mais que no Brasil. Para saber sobre se um professor é bem ou mal remunerado ele sugere verificar a média salarial nacional. Mostra com isso inclusive que em países mais ricos a diferença salarial entre a média nacional e a renda do professor é 15 % menor que a em nosso país. Segundo ele o professor leva a melhor quando comparado a outras profissões que exijam escolaridade compatível. Cita de forma tendenciosa que em “estudos mais sérios” sobre o assunto os professores não são discriminados, e sim que recebem o que se espera para a sua formação e carga de trabalho, além de ter uma carga horária menor.
Comentário: O professor brasileiro recebe mal sim. É claro que existem profissões que recebam muito menos, mas isto não quer dizer que por que não é ainda pior do que ai está que não seja ruim. Em países mais desenvolvidos estes profissionais recebem mais do que aqui tanto pela riqueza destes países quanto pelo fato de ver o número posto pelo autor do artigo da Veja de outra forma: não é que lá eles recebam menos se comparados a outros setores do que aqui, e sim por que lá a desigualdade social é menor que aqui. O autor não considera que o profissional da educação trabalha muitas vezes fora da carga horária, não sendo assim, remunerado como em outros setores que geralmente recebem remuneração extra. Existem concursos em nível de 2o grau que remuneram mais do que o que emprega professor, um amigo meu trabalha no TRE e recebe acima de 3.000,00 reais. Não digo que deveria receber menos, acho que equiparar seria até concebível, mas se o critério é o nível de dificuldade, não entendi o que ocorreu neste concurso.
2o Mito: A educação só vai melhorar no dia em que os professores receberem salário mais auto
Ioschipe se baseia em estudos que dizem que o aumento no salário dos professores não melhora o desempenho dos estudantes, aponta uma pesquisa da UNESCO que mostra como equivoco formar cidadãos conscientes ao invés de privilegiar conteúdos básicos e dispara: o principal problema é fazer os professores estarem realmente aptos a ensinar.
Comentário: Concordo que uma melhor remuneração da classe que leciona nas escolas não gera necessariamente melhora educacional. Porém ajuda ao profissional não debandar para outras áreas melhor remuneradas, agravando o problema.
Quanto ao que se vale mais no ensino, não deve ser algo como preto e branco, e sim os tons acinzentados. Conteúdo é importante, mas cidadãos conscientes também, para que não se aprenda para si ou somente para os seus, mas para o bem de toda a sociedade. Se for feita uma pesquisa sobre o tema, embora sabemos que um não necessariamente implica no outro, bem trabalhado com os alunos, podem ser amalgamados.
É sempre urgente realmente ter professores que entre em sala sabendo ensinar, aliás, como em qualquer área é o mínimo que se espera, mas não é o que sempre se obtém. Cabe buscar, por exemplo, um concurso que concilie a questão meritocrática de saber para além de si, que consiga avaliar se sabe para transmitir o conhecimento. Ocorre também de o departamento de educação não respeitar o fato de que cada área de conhecimento tem que ser ministrada pelo profissional da área, o que embora seja um detalhe básico quanto a razão não é quanto a realidade dos fatos (exemplo: em Maringá muitos dos professores que lecionam sociologia não se formaram em ciências sociais, e isso não se justifica pela falta de profissionais, pois a UEM forma profissionais a todo ano, além da UEL que forma a ainda mais tempo  e é próxima a cidade, o que demonstra uma falha administrativa, ou política de conchavos ou ambos).
O mais urgente na verdade não é esta ou aquela medida em especial, mas sim o conjunto de medidas, pois para melhorar a educação nas escolas, temos que melhorar a condição de quem leciona, e mais importante que isso, temos que acompanhar as varias instâncias que se impõem entre o aluno e a escola, como as desigualdades sociais, o descomprometimento de muitos pais, mesmo quando para muitos a desculpa de ter que trabalhar seja justa, porém não deve permitir que esqueçam que isto não os isenta de zelar por seus filhos supervisionando, e não entregando esta responsabilidade somente aos educadores.
3o Mito: O Brasil investe pouco dinheiro em educação
O Brasil investe o mesmo que os países desenvolvidos.  O problema esta na má administração do recurso público.
Comentário: Aqui não criticarei de forma tão extensa. Concordo com o Ioschipe  quanto ao que se gasta não ser necessariamente pouco e quanto a má administração. Se entrar mais dinheiro para ser administrado desta forma, pouco mudará. Deve haver uma melhor administração, com punição severa para desvio de verba, além de uma fiscalização atuante e incessante neste sentido. Ajudará ainda mais se a verba para a educação aumentar, pois é comprovado por pesquisa que o aluno que se dedica e avança na educação, estatisticamente ganha mais do que quem não o faz. Se é função do estado se dedicar e zelar pelo bem dos seus, investir mais significa possibilitar a  melhorara de vida da população.
Se aqui temos mais desigualdades sociais que em países desenvolvidos, nada mais necessário então que mais recurso para a educação, para diminuir as desigualdades, aliadas sempre a outras medidas também de cunho social.
4o Mito: A escola particular é excelente
Alega que a escola particular não é sinônimo de boa qualidade educacional, mostrando com base em testes que os 25% mais ricos do Brasil não são superiores aos 25% mais pobres de países desenvolvidos. Mostra também que o sucesso em relação a escola pública se deve muito mais a condição social dos alunos (90%) do que ao maior nível educacional (10%). Critica que as escolas e faculdades formam mal os que acabam se tornando professores.
Comentário: Finalmente aparece o aspecto social como fator dominante, embora se comente de forma tão superficial que parece não ser tão relevante, pois mesmo quando o evidencia, rapidamente retoma o problema da educação como fruto de uma má formação intelectual dos professores. Chega a ser estranho como denigre a formação dos professores. Os dados apresentados neste tópico quanto as desigualdades sociais influenciando diretamente na educação (90% é extremamente expressivo) deveriam ser a linha mestra do artigo, e não um mero detalhe. É justamente o detalhe de uma menor desigualdade social que mostra que os mais pobres dos países desenvolvidos tem melhor desempenho que os mais ricos de nosso país.
Mais importante do que melhor salário, melhor investimento, é, sobre tudo, o que leva a tudo isso e a muito mais, a maior igualdade social, possibilitando aos alunos terem igualdade quanto à busca do conhecimento, sem se preocupar tanto se tem o que comer e se tem que trabalhar além de estudar, e aos professores, que ao se verem em pé de igualdade quanto ao status social e econômico de outros ramos, não procuram sair da área de transmissão de conhecimento.

2 comentários:

  1. Muito bom professor =D

    ResponderExcluir
  2. bela observação! Em questão da desigualdade social. Não é apenas remuneração, investimento e sim a forma que se leva o conhecimento a sala de aula! Parabéns professor!

    ResponderExcluir